terça-feira, 10 de setembro de 2013

A evolução das tecnologias geoespaciais livres no Brasil

Para comemorar os dez anos do grupo MapServer Brasil, vou fazer um post especial sobre a evolução das tecnologias geoespaciais livres (open source) no Brasil. Eu particularmente iniciei meus primeiros estudos envolvendo software livre para Sistemas de Informação Geográfica (SIG) em 2001. Nesta mesma época, talvez um pouco antes, uma equipe da Univali já trabalhava no desenvolvimento do módulo de conexão do MapServer com o Oracle Spatial. Neste período, também já se ouvia falar do projeto TerraLib conduzido pelo INPE.
Em 2002, eu e uma pequena equipe da 5ª Divisão de Levantamento colocamos no ar um servidor com MapServer e PostGIS para dar acesso ao público externo à Cartografia produzida pelo próprio Exército Brasileiro. Este projeto foi apresentado no Congresso de Cartografia com o título de SERVIDOR DE PRODUTOS CARTOGRÁFICOS DIGITAIS. Dentro do Exército, eu pude conviver com pessoas favoráveis ao software livre, porém, também lidei com pessoas que investiam bastante tempo na depreciação das tecnologias abertas. Tenho acompanhado que a nova geração de Engenheiros Cartógrafos tem ajudado a Diretoria de Serviço Geográfico (DSG) a investir no software livre.
Após a apresentação do projeto SePCaD, várias pessoas começaram a me procurar com dúvidas sobre as melhores opções em software livre para soluções envolvendo inteligência geográfica, eu resolvi criar o Grupo MapServer Brasil que completou 10 anos ontem (09/09/2013). Neste período, eu ainda era oficial do Exército e trabalhava na 5ª DL. Este grupo cresceu e hoje conta com mais de 1.300 associados.


O cenário atual das geotecnologias livres no Brasil merece destaque quando comparado a outros países. Temos grandes casos de sucesso passando pelas 3 esferas governamentais (Federal, Estadual e Municipal), inclusive na iniciativa privada. Eu tive o privilégio de participar ativamente para que o software livre estivesse numa situação de destaque com casos de sucessos premiados.
Para concluir este post, indico o vídeo do projeto GIGFER que recebeu 2 prêmios ao longo do seu desenvolvimento. Este foi o projeto mais recente que participei e um dos mais complexos que já trabalhei.


Quem desejar contribuir com comentários sobre fatos relevantes na história do software livre para área de geotecnologias no Brasil, pode ficar à vontade para fazer comentários neste post. Eu agradeço todas as colaborações.

Imagem cortesia de Stuart MilesFreeDigitalPhotos.net

Um comentário:

hi disse...

Há 9 anos, em 2004, a Univali promoveu o 1º Encontro Nacional de Usuários do MapServer, organizado por Rodrigo Becke Cabral e Rafael Medeiros Sperb. O Sistema de Visualização de Indicadores em Mapas (SVIM), da Pastoral da Criança, abriu as apresentações deste encontro, seguida pela apresentação do Steve Lime. Desde 2003, a Coordenação Nacional da Pastoral da Criança emprega as tecnologias FOSS4G no Geoprocessamento de indicadores socioeconômicos e de saúde, para descobrir onde estão os mais pobres ou necessitados e verificar se ali estão sendo realizadas as ações básicas de saúde, educação, nutrição e cidadania, para que as gestantes, crianças menores de 6 anos e suas famílias tenham mais qualidade de vida. Agradecimentos a toda comunidade FOSS4G. Humberto Cereser Ibanez